Depressão nos pets é real? Como identificar e ajudar?


As nossas rotinas diárias são cada vez mais agitadas, e ainda que de uma forma indirecta acabamos por passar o nosso stress para os nossos animais, das mais variadíssimas formas.

Cabe-nos enquanto tutores estar atentos para conseguirmos, dentro dos nossos melhores esforços detectar as situações o mais atempadamente possível, para evitarmos evoluções mais problemáticas.

Mas como saber?

Os sintomas nem sempre são evidentes e requerem alguma atenção da nossa parte:

Devemos ficar de alerta ao comportamento das nossas mascotes, se por exemplo, ocorrer a morte de algum outro animal na família. Depois de uma situação destas é normal que o patudo fique mais quieto, aumente os chamados (latidos ou miados), para garantir que o companheiro "perdido" o consegue localizar. Neste caso, precisamos dar-lhe mais carinho para que se sinta integrado na família, e que acredite, que tudo vai correr bem e que não foi verdadeiramente abandonado;

A nossa rotina profissional nem sempre é igual, às vezes temos mais tempo do que outras. Isto, ainda que involuntariamente, acabava por influenciar os nossos pequeninos, que acabam por criar expectativas de rotinas, passeios e brincadeiras, que nem sempre acontecem, ficando dessa forma mais tristonhos e quietos. Quem nunca passou pela situação do nosso cão nos vir receber À porta já com a bola na boca, e com a cauda a abanar para ir brincar? E a única coisa que queremos é um banho e cama? :) familiar, não é? O problema acontece, quando dia após dia, deixamos essa brincadeira para mais tarde. Ele simplesmente não entende porquê.

Por norma, os animais não lidam particularmente bem com alterações de casas, mudanças de móveis, etc. Estamos a mexer com o ambiente deles, com o mundo deles, e isso acaba por os afectar. Neste último caso, por norma a tristeza é mais temporária, e cabe-nos através de uma atenção redobrada ajuda-los a reambientarem-se.

É de muitíssima importância, que se a tristeza ocorrer por mudança de residência, não esquecer de reforçar a hierarquia na "matilha", pois irá transmitir ao seu patudo mais confiança, de que tudo rapidamente caminhará para a normalidade tão desejada.

Um outro sintoma, é o sono. Os gatos em particular, são animais que dormem bastante. Caso o seu amigo esteja a dormir mais horas do que é normal, de uma forma consistente, é sem duvida um alerta de que algo não está bem.

O pêlo dos animais funciona como o espelho da alma. Os animais quando ficam mais introspectivos, por norma deixam de se cuidar, ou em outros casos cuidam em excesso, quase que de uma forma compulsória. Este comportamento, quando não detectado a tempo, acaba por originar áreas peladas, pêlo baço e sem brilho e algumas alterações na fisionomia.

Um outro comportamento a ser acompanhado prende-se com o esconderijo especial. Os gatos em particular, adoram ter o seu lugar especial, aquele que só eles sabem, e para onde vão quando querem descansar ou simplesmente ficar sozinhos.

Se o gato alterar a sua rotina e passar a ficar de uma forma sistemática mais tempo no seu retiro, e a isolar-se mais do que o normal, esta alteração deve ser seguida por nós com atenção, e não deve ser ignorada.

Se o seu cachorro já está devidamente adestrado e faz o seu número um e dois correctamente, pede direitinho para ir passear, ou se pelo contrário o seu gato, super limpinho, começa a deixar de usar a caixa, e areia está limpa, o seu radar deve ligar e ver o que se passa;

A maioria das situações acaba por se resolver connosco a passarmos um pouco mais de tempo com o nosso pet, brincando com ele, arranjando brinquedos interactivos apropriados, que irão deixar o pet bem mais feliz e ocupado, quando nos tivermos de ausentar; estabelecer novas rotinas de passeio, que deixem ambos felizes; deixar as cortinas/estores da casa abertos durante o dia para que o Sol entre, e o seu gato possa ver a rua e satisfazer a sua curiosidade; deixar a TV ligada, para que ouçam sons e se sintam estimulados.

Caso sinta que depois de se aproximar do seu pet, ele não está a melhorar, não hesite em recorrer a ajuda médica, pois em situações mais graves, poderá ser necessária alguma medicação.

Mas e porque os animais são tudo de bom, valem este mais 1%, para que fiquem bem e voltem as estar felizes.

bjinho

 


Deixe um comentário


Tenha em atenção que os comentários precisam de ser aprovados antes de serem exibidos