P.I.F.


Quem tem ou já teve um gato não quer nem ouvir falar nesta palavra…. PIF.

Mas afinal o que é a PIF? PIF é a sigla utilizada para identificar a Peritonite Infeciosa Felina, uma doença contagiosa comum em filhotes entre os 3 meses e os 2 anos de idade, mas que também pode atingir gatos idosos ou com o sistema imunitário debilitado por outras doenças.

Nem todos os gatos portadores do vírus ou que tiveram em contacto com animais doentes, desenvolvem a doença. Porém, como a mesma ainda não tem cura, pouco podemos fazer por aqueles que adoecem.

A prevenção da doença é difícil e trabalhosa, principalmente em lares ou abrigos com mais do que um animal. Situações causadoras de stress, como a separação, a mudança de ambiente, o isolamento e a chegada de um novo hóspede ao lar podem diminuir as defesas do felino e assim abrir portas para que a infeção ganhe terreno.

Motivo pelo qual a prevenção da doença tem como foco principal a diminuição do stress e a individualização dos objetos pessoais como comedouros, bebedouros e, principalmente, caixas sanitárias. Estas últimas, ganham particular importância já que a contaminação é oro-fecal, ou seja, é necessário que o gato saudável entre em contacto direto com as fezes do portador do vírus, para ser contagiado. No entanto, quem tem gatos sabe, como é difícil a individualização dos objetos, contudo é uma medida de extrema importância.

Locais com grande concentração de gatos, como gatis ou abrigos são propícios à transmissão do vírus, que apesar de sensível a desinfetantes comuns, pode permanecer intacto por semanas, no ambiente.

Existem ainda gatos com uma maior predisposição para a doença do que outros, gatos de raças puras, como persas, bengals e ragdolls estão mais predispostos a desenvolver a doença e como tal requerem uma atenção redobrada pelos donos. A transmissão de mães para filhotes ocorre geralmente durante o período de gestação ou de amamentação.

Existem duas formas de PIF, a efusiva e a não efusiva, as quais são determinadas pelo tipo de resposta imunológica do animal. Os sintomas da doença são muito genéricos e de difícil diagnóstico, e podem levar semanas a aparecer: desidratação, falta de apetite evidente, febre, notória perda de peso e diarreia, são alguns deles.

Em situações mais grave pode ainda ocorrer a formação de líquido, na pleura (membrana que envolve o abdómen) e/ou no pericárdio (membrana que envolve o coração), a remoção deste, ainda que parcialmente, trará algum conforto adicional ao gatinho. Contudo trata-se de um procedimento que exige esforço por parte do gatinho e como tal só pode ser realizado pelo seu médico veterinário.

Devido ao aumento dos gânglios podem aparecer formações palpáveis no abdómen, as quais precisam ser acompanhadas pelo médico veterinário. Em casos mais graves, o gato apresenta ainda falta de ar, respiração acelerada, a boca aberta e a língua azulada. A pele, olhos e mucosas podem apresentar um tom amarelado (icterícia), e é comum surgirem lesões nos olhos e o deslocamento da retina.

Quando o sistema nervoso central fica comprometido, o gato apresenta alterações neurológicas graves como incoordenação, convulsão, depressão mental, paralisia, entre outros.

A realização de exames de sangue, de rx, testes sorológicos e de DNA, auxiliam no tratamento, mas o diagnóstico definitivo só pode ser feito por meio de biopsia.

Gatos doentes ou positivos com PIF, não devem estar em contacto com gatos idosos, doentes ou filhotes, pois o risco de transmissão aumenta.

Antes de introduzir um novo gato em sua casa, consulte o veterinário, faça o despiste e respeite as orientações, por forma a evitar o possível contágio, caso algum dos animais seja portador da doença.

E porque nunca é demais relembrar, mantenha o ambiente e os pertences dos seus animais sempre limpinhos, esvazie a caixa de areia e limpe-a por completo pelo menos uma vez por semana, podendo reaproveitar a areia que esteja em bom estado.

È uma doença complicada e que aqui em casa já deixou as suas sequelas. Não a podemos vencer, mas mitigar está nas nossas mãos.

Um beijinho e muita força, em particular para quem está a travar esta “guerra”.

 


Deixe um comentário


Tenha em atenção que os comentários precisam de ser aprovados antes de serem exibidos